Follow by Email

quinta-feira, 1 de março de 2012

O jardim de Sara

O grande buraco no jardim da casa, não levava ao país das maravilhas, mas bem que poderia levar. É que na cabecinha da pequena Sara tudo era possível.
            A garota passava horas do seu dia no jardim da avó imaginando coisas fantásticas. Certo dia jurou ter visto a mulher gato e a mulher maravilha tomando café com ela e as suas bonecas na pequena mesa cor-de-rosa que foi presente da avó.
Os pais de Sara costumavam fazer várias viagens, o que fazia com que a pequena passasse muito tempo na companhia da avó materna.
Naquele dia o que intrigava a garota, era o grande buraco que apareceu no meio do grande e belo jardim. Chegou bem perto para poder olhar bem no fundo. Precipitou-se e acabou caindo.
O buraco parecia não ter fim, e enquanto caia a pequena Sara podia contemplar as estrelas. O local onde estava parecia um grande universo. Após alguns minutos de queda-livre, a garotinha viu uma enorme luz chegando cada vez mais forte, parecia até que iria lhe cegar, mas em seu coração sentia que não precisava ter medo.
Sara estava agora em outro jardim, ainda maior que o de sua avó. Pode ouvir algumas risadas vindas de trás das árvores que deixavam ainda mais bela aquela grandiosa paisagem. Logo depois algumas crianças apareceram correndo-brincando. A pequena Sara correu também, deixando-se levar pela euforia das crianças.
Já havia entardecido e a pequena continuava a correr e correr. Não sentia fome ou qualquer outra necessidade do corpo. Estava totalmente entregue as diversas brincadeiras que executava com seus novos amigos.
Ao primeiro sinal do anoitecer Sara ouviu uma voz lhe chamando. Não era a voz suave de nenhuma das crianças com quem brincava, mas sim a voz da avó, chamando-lhe para que entrasse em casa e fosse banhar-se antes do jantar.
De repente, tudo ao seu redor tomou outra forma, e Sara estava novamente no quintal da avó. A velhinha estava agora ao seu lado:
-- Menina desatenta, às vezes penso que você tem problemas nessa cabecinha...
Sara sorriu. Imaginação um problema?

Shirlei Marcelino

Nenhum comentário:

Postar um comentário