Follow by Email

segunda-feira, 5 de março de 2012

Mudança no nome do Blog

Caros amigos e seguidores!

Resolvi mudar o nome do blog. O sentido continua o mesmo, que é o de abrir a mente e se libertar das imposições e suposições.
Como a palavra "alma" trás vários sentidos, resolvi não usá-lo mais.

Obrigada e continuem lendo!!!

Shirlei Marcelino

Depende, você quer ouvir o quê?

Sinceramente, talvez seja mais fácil descobrir se existe vida em outros planetas, ou então se existe uma equação exata que conte a história do início do mundo, do que entender certas peculiaridades da mente humana. Cara! Existem pessoas nesse mundo que adoram perguntar a opinião dos outros pra nada. Sabe aquele seu amigo, aquele que só quer ouvir a resposta que espera? Então leitor, é desse tipo de gente que estou falando.
Aliás... Talvez você mesmo seja assim! E se for o caso, por favor, observe a história a seguir e pare de irritar seus amigos que só fazem o que você pediu: Dar a opinião sincera! E se for do tipo sincero, cuidado! A resposta nem sempre irá agradar...
Lá estava eu, no final da tarde de sábado, escrevendo umas tolices no computador e me aventurando por algumas páginas virtuais, enquanto as redes sociais estavam cheias de asneiras. Eu como uma pobre condicionada que já sou dessas redes (tem coisas legais também, vai!) estava conectada no facebook e no MSN. No facebook, algumas figuras engraçadas, frases sem coerência, foto de todo tipo de gente, citações de autores. Citações de autores cujos nomes são subtraídos! Fico louca da vida!!! E uma guria ainda comenta uma postagem dessas elogiando o amigo, dizendo que este estava inspirado quando escreveu a postagem! Inspirado em usurpar a frase alheia! Cita ! Mas coloca o nome do autor... -- AHAHAHAHAHA!!!!! -- Tudo bem... Passou... Ufa, desculpem o desabafo! Voltemos ao foco... Fechei o tal do facebook, quando então, chamou-me ao MSN, uma amiga que eu não via ou conversava há tempos.
Amanda diz:
 Olá Cláudia
td bem?
CLÁUDIA diz:
Oi Amanda!

            Caro leitor, deixe-me explicar, como a conversa foi pelo MSN, não vou escrevê-la aqui da forma tradicional, com travessões e palavras bem escritas para a língua padrão oficial brasileira. A linguagem de internet já é um fato cotidiano na vida das pessoas, pelo menos da maioria, e resolvi trazê-las aqui para este texto. Portanto, vou escrever as palavras do modo como apareceram na janelinha do meu MSN!
Voltando a conversa:
Amanda diz:
Nossa menina, como vc tá?
CLÁUDIA diz:
Td bem,
continuo estudando e tals. E vc guria?
Amanda diz:
 Ah, nem te conto,eu e o Mário terminamos!
CLÁUDIA diz:
Pô... sério?

            Tudo bem, tudo bem, nesse ponto aí eu fui falsa, porque bem sabia que o cara não valia muita coisa. Do tipo conquistador barato entendem? Se não entendeu leitor, vou ser mais clara: daquele tipo de sujeito que só não canta a mãe e a irmã! Mas a Amanda, bom, parecia evidente que fingia não ver. Tanto, que nunca falamos nada pra ela. Achávamos que não era necessário, pois o figura era muito descarado.
Amanda diz:
Pois é menina, depois de anos de namoro...  ai tenho vergonha até de contar de dizer o que houve
CLÁUDIA diz:
bem, não precisa dizer se não tá a vontade.
Amanda diz:
Aa, pra ti eu conto. ele ficou com outra! vc acredita?

            Sim, bem assim leitor, de quem não queria contar – nem eu estava com saco para ouvir! -- Para quem contaria sem maiores cerimônias. Deu vontade de ser sincera, e dizer que eu acreditava sim! Que inclusive já tinha visto, mas deixei pra lá!
CLÁUDIA diz:
hummmm..... nossa... que canalha...
Amanda diz:
Quando eu iria imaginar uma coisa dessas?
 Affh!!! Então...

            Blá blá e blá, eu não vou entediar meu caro leitor com a conversa chata dessa guria. Olha, eu não sou falsa não, mas sinceramente, se eu for sincera com todo mundo, brigo o dia todo. E como eu disse, a coisa toda do Mário sempre foi muito evidente! Sabíamos que não compensaria contar uma coisa que era evidente, se ela não via, é porque não queria. Depois de ouvir a história nos mínimos detalhes durante uma meia hora, a guria solta:
Amanda diz:
 ai coitado, sei lá, me traiu e tals, mas pô, nunca tinha feito isso antes   sempre foi tão fiel... O QUE VOCÊ ACHA CLÁUDIA?

            Tudo bem, eu confesso que a pergunta não veio em Caps Lock, mas eu imaginei que sim... Gente! Povo! Digam-me, porque tem gente que insiste em se fazer de boba? Penso que os pilantras se aproveitam com razão! Você via estampado na cara do Mário: SAFADO! Não era possível que só a Amanda não visse isso. Aliás, o cara já tinha cantado todas as amigas e colegas dela, inclusive eu.
CLÁUDIA diz:
cara, vc quer mesmo saber?
Amanda diz:
Claro! Sim, sim
CLÁUDIA diz:
Eu acho que vc merece uma pessoa melhor!
Amanda diz:
????????????
CLÁUDIA diz:
É isso mesmo, acho que vc merece um carinha que te de valor!

            Ah! Quer saber? Falei mesmo! Ah, eu estava lá, escrevendo umas coisinhas, e a tal da guria não parava de encher! Vá se fazer de boba na casa...
Amanda diz:
 mas ele tem qualidades tb!
CLÁUDIA diz:
a é? E qual? Ser safado? Galinha?
Amanda diz:
mas foi só uma vez
CLÁUDIA diz:
ah é? E como vc sabe? Heim?
 vc pegou ele no flagra dessa vez, vai lá saber se ele não fez isso antes.
Amanda diz:
nossa Claudia, vc tá com problemas é? tá louca? que negócio é esse de se incomodar com a minha vida????

            Não, não, mil vezes não! Era demais pra mim, de repente eu virei vilã da conversa, e o Mário, maldito safado, virou o herói!
Amanda diz:
Sabe, o Mário nunca gostou de vc mesmo!
Agora sei o porquê! vc é uma invejosa! Isso!
CLÁUDIA diz:
vc ficou louca de vez!
Amanda diz:
quer saber, foi um aviso, essa conversa foi um aviso dos céus pra eu voltar com o Mário!

            Aviso dos céus! Sim, eu li isso naquela janelinha maldita do MSN, “Aviso dos céus”, olha, sério leitor... Aconteceu assim mesmo! Quando alguém me perguntar novamente o que acho, sabe o que vou responder?
            -- DEPENDE, VOCÊ QUER OUVIR O QUÊ? 
Então encurto a conversa, volto pra minha escrita, pras espiadas no facebook, sei lá! Quem sabe até cutuco alguém!

Shirlei Marcelino

quinta-feira, 1 de março de 2012

O jardim de Sara

O grande buraco no jardim da casa, não levava ao país das maravilhas, mas bem que poderia levar. É que na cabecinha da pequena Sara tudo era possível.
            A garota passava horas do seu dia no jardim da avó imaginando coisas fantásticas. Certo dia jurou ter visto a mulher gato e a mulher maravilha tomando café com ela e as suas bonecas na pequena mesa cor-de-rosa que foi presente da avó.
Os pais de Sara costumavam fazer várias viagens, o que fazia com que a pequena passasse muito tempo na companhia da avó materna.
Naquele dia o que intrigava a garota, era o grande buraco que apareceu no meio do grande e belo jardim. Chegou bem perto para poder olhar bem no fundo. Precipitou-se e acabou caindo.
O buraco parecia não ter fim, e enquanto caia a pequena Sara podia contemplar as estrelas. O local onde estava parecia um grande universo. Após alguns minutos de queda-livre, a garotinha viu uma enorme luz chegando cada vez mais forte, parecia até que iria lhe cegar, mas em seu coração sentia que não precisava ter medo.
Sara estava agora em outro jardim, ainda maior que o de sua avó. Pode ouvir algumas risadas vindas de trás das árvores que deixavam ainda mais bela aquela grandiosa paisagem. Logo depois algumas crianças apareceram correndo-brincando. A pequena Sara correu também, deixando-se levar pela euforia das crianças.
Já havia entardecido e a pequena continuava a correr e correr. Não sentia fome ou qualquer outra necessidade do corpo. Estava totalmente entregue as diversas brincadeiras que executava com seus novos amigos.
Ao primeiro sinal do anoitecer Sara ouviu uma voz lhe chamando. Não era a voz suave de nenhuma das crianças com quem brincava, mas sim a voz da avó, chamando-lhe para que entrasse em casa e fosse banhar-se antes do jantar.
De repente, tudo ao seu redor tomou outra forma, e Sara estava novamente no quintal da avó. A velhinha estava agora ao seu lado:
-- Menina desatenta, às vezes penso que você tem problemas nessa cabecinha...
Sara sorriu. Imaginação um problema?

Shirlei Marcelino